Estopim do 8 de janeiro, fakes sobre urnas ainda alimentam golpismo nas redes

Por: Lupa 

 

Por: Lupa 

 

Mesmo sem eleições no país em 2023, a narrativa falsa sobre fraude nas urnas eletrônicas — que insuflou os atos de 8 de janeiro — ganhou fôlego nas redes ao longo do ano passado, principalmente por causa dos desdobramentos dos ataques golpistas. É o que mostra o levantamento produzido pela FGV Comunicação Rio, dentro do projeto Mídia e Democracia. As alegações enganosas sobre urnas, fator esse que costuma ganhar mais força em ano eleitoral, também foram usadas para fundamentar novos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF), mais especificamente ao ministro Alexandre de Moraes. 

Entre os desdobramentos que alimentaram a tese de fraude eleitoral em 2023 estão as discussões na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro, a prisão de pessoas por envolvimento na depredação dos prédios em Brasília, medidas judiciais adotadas pelo ministro Alexandre de Moraes e pelo STF e a morte de um dos presos pelos atos golpistas no Complexo Penitenciário da Papuda (DF). 

 

Leia a reportagem.